segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Eu fico loko

"Eu fico Loko", de Bruno Garotti (2016) Bom, todo o mundo já sabe que "Eu fico loko" é a cinebiografia de Christian Figueiredo, que tem um canal no youtube homônimo com mais de 7 milhões de seguidores. O filme narra 3 fases na vida de Christian: criança, adolescente e pós adolescente, interpretado nessa última fase por ele mesmo. Tanto criança quanto adolescente, Christian sofre Bullying na escola. Adolescente, ele se apaixona, leva tôco, briga com seu melhor amigo e tenta resolver tudo com a ajuda de sua avó moderninha (Suely Franco, genial como sempre). Quando as coisas parecem que irão explodir, ele tem a id;eia de criar o Canal 'Eu fico loko". O resto, é o que todos já sabemos. Não tenho como falar desse filme sem parabenizar a todos os envolvidos, que são pessoas queridas do Cinema nacional. Não é puxa-saquismo, é o reconhecimento do quanto estamos mandando muito bem na parte técnica, por isso ninguém mais pode falar mal do cinema brasileiro. O nível é muito alto. A primeira direção de um longa está com cara de gente grande, cheio de segurança, nas mãos do Bruno Garotti. A fotografia criativa, inteligente e se comunicando com o público adolescente, perfeita de Dante Belluti. Direção de arte, som, edição, e ponto mais do que positivo, a trilha sonora envolvente e pulsante. O roteiro escrito pelo próprio Garotti com Sylvio Gonçalvez traz elementos de grandes clássicos adolescentes, daqueles que a gente guarda no coração e não esquece mais: "Curtindo a vida adoidado, "A hora de voltar", "As vantagens de ser invisível", "Carrie, a estranha", são alguns que identifiquei. O filme faz parte de um gênero que eu gosto muito, "o "Feel good movie". São elementos de drama, de melancolia, de redenção e de virada do protagonista , em sua descoberta espiritual, que transcende a tela e conquista o público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário