sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Coro

"Chorus", de François Delisle (2015) Escrito e dirigido por François Delisle, "Coro" é um triste e doloroso retrato de um casal destruído por uma tragédia. Após o desaparecimento do filho de 8 anos, um casal acaba se separando, não suportando a dôr da ausência. 10 anos depois, um pedófilo confessa o crime de ter estuprado e matado o menino. O casal se reencontra, unidos pela angústia e pela dôr. O reencontro pode ser uma oportunidade do reconciliamento do casal. Ou não. Exibido em Sundance, e premiado em vários Festivais, esse amargo drama rodado em preto e branco e com uma tristeza profunda pairando em casa fotograma, tem excelente performances do casal principal: Fanny Mallette e Sebastién Ricard se doam para os personagens, personificando muita lamentação e desespero existencialista para os papéis. A direção se [reocupa em dirigir bem os atores e em montar belos enquadramentos. O ritmo do filme é bem lento, quase que em um registro documental, para sentirmos mais a angústia do que os personagens vivem. O desfecho é bem bonito, ao som de ótimas canções. Não é um filme recomendado para quem está atravessando momentos difíceis relacionados a filhos ou pessoas próximas. Na cena da confissão do pedófilo, com os pais escutando em detalhes o que ele fez com o menino, é um verdadeiro soco no estômago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário