sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Dominion

"Dominion", de Steven Bernstein (2016) Poeta galês que nos anos 50 ficou muito famoso nos Eua, fazendo leituras concorridas em salas de teatro. Em 1953, durante uma excursão de sua turnê por Nova York, Dylan segue até o bar "White horse" e toma 18 doses de bebida, entrando em coma. Esse filme experimental, que mescla poesia, drama e fantasia ( através das lembraças e memórias do personagem) procura entender os motivos que fez com que Dylan buscasse a auto-destruição. Protagonizado pelo excelente ator Rhys Ifans, e co-estrelado por Rodrigo Santoro ( no papel do barman do "White horse), "Dominion" é um filme hermético para o grande público. Para espectadores apaixonados por literatura e poesia, será mais fácil apreciar a extensa verborragia dos diálogos. Para a outra parcela de espectadores, o filme pode ser uma experiência cansativa, por conta da longa duração e do ritmo bastante arrastado da trama. O Cineasta Steven Berstein é fotógrafo e percebe-se o seu grande apreço pelo enquadramento e pela fotografia. A dramaturgia merecia um roteiro mais enxuto e que não repetisse tanto as informações ao longo do filme. Vale pela autoralidade do projeto e pelo protagonista, uma versão mais cult e refinada de Bukowsky.

Nenhum comentário:

Postar um comentário