domingo, 9 de outubro de 2016

Eu, Daniel Blake

"I, Daniel Blake", de Kean Loach (2016) O cineasta Ken Loach mais uma vez abraça o cinema humanista e social, ganhando a Palma de Ouro em Cannes 2016 por esse belíssimo libelo a favor da solidariedade. Capitaneado por um time formidável de atores, o detaque vai para Dave Johns e Hayley Squires, o primeiro no papel principal, e a segunda no papel da sofrida Katie. Daniel Blake é um carpinteiro de 40 anos de serviço, que um belo dia, sofre um problema do coração e precisa se afastar do trabalho. Porém, ao dar entrada no auxílio desemprego, seu pedido é negado por quê os peritos não concordam com o parecer da médica, que diz que Blake está proibido de trabalhar. Revoltado, Blake procura entrar com um processo contra a instituição do Governo. Em seu caminho, surge Katie, mãe solteira e com dois filhos pequenos, que também luta contra o desemprego e a fome. Forte e emotivo, chorei muito na cena que acontece dentro da Cesta básica. O trabalho dos atores é algo de impressionante e monstruoso. Sou um grande apreciador do trabalho de atores ingleses, sempre em busca de minimalismo e da vivência do momento. O filme apresenta um dos personagens mais cativantes que surgiram no cinema recentemente, Daniel Blake prova que ainda é possível ajudar ao próximo, e encontra quem o ajude nessa luta. Uma pena que ambos os atores não saíram premiados em Cannes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário