sábado, 3 de dezembro de 2016

O roubo da taça

"O roubo da taca", de Caito Ortiz (2016) Dirigido pelo mesmo Cineasta de "Estação Liberdade", "O roubo da taça" venceu 3 prêmios em Gramado 2016: Ator, fotografia e roteiro. Caito Ortiz é um diretor de publicidade que traz para os seus filmes esse olhar estilizado. A fotografia, em tons amarelados, carregados de filtro, trazem à tona os anos 80, realçando o tom nostálgico do filme. O filme se passa em 1983, o ano em que a Taça Jules Rimet foi roubada no Rio Janeiro. O filme ficcionaliza os rumos que desse roubo: Peralta ( Paulo Tiefenthaler) é um vendedor de seguros casado com Dolores ( Tais Araujo), cabeleireira de um salão. Peralta é viciado em jogo, e perde tudo nas apostas. Devendo 1 milhão, ele decide participar do roubo da Taça Jules Rimet e depois vender, para saldar as dívidas. Com belo trabalho de elenco, o filme mostra todo o gingado e a malandragem carioca da classe média. Nesse universo de bandidos, loosers, agiotas e policiais, o diretor Caito Ortiz retira o melhor dos mundos para enfeitar o seu produto: fotografia, edição, trilha sonora, direção de arte, figurino, tudo de primeiríssima linha. Impossível assistir ao filme e não comentar a sua qualidade técnica. A comédia do filme é de humor negro, e podemos enxergar bastante referência do cinema dos Irmãos Coen na decupagem e nos enquadramentos, além de uma pitada do inevitável Tarantino. Uma comédia diferente, com estilo e um olhar abusado e estiloso sobre os cariocas. O elenco é um show, mesclando atores do porte de Milhem Cortaz, Stepan Nercessian, Thogun com uma galera nova no cinema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário