sábado, 11 de fevereiro de 2017

Outono

"Sonbahar", de Özcan Alper (2008) Excelente longa de estreia do Cineasta turco Özcan Alper, e um tristíssimo drama sobre perda, morte, sonhos frustrados e aprisionamento emocional. O filme venceu mais de 16 prêmios internacionais, merecidamente, inclusive ganhando Premio de melhor trilha sonora, que de fato é maravilhosa e envolvente. Yusuf era um jovem estudante que foi preso pelo governo em 1997 por participação em movimento estudantil. 10 anos depois, ele é solto por problemas de saúde e retorna para a casa dos pais, nas montanhas. Seu pai morreu durante a sua permanência na prisão, sua irmã se casou e foi morar na cidade grande e somente restou sua mãe, idosa e doente. Nas montanhas, somente ficam os idosos, os jovens vão para Istambul trabalhar. A única pessoa que ficou nas montanhas da geração de Yusuf é um colega da época da faculdade, Mikail, que trabalha como marceneiro para seu pai. Um dia, Mikail chama Yusuf para ir até a cidade beber em um bar. Lá, Yusuf conhece Eka, uma prostituta de Georgia e que trabalha ilegalmente na região. Os 2 se conectam pela solidão e tentam manter encontros casuais. Belamente narrado em 3 histórias paralelas, todas envolvendo Yusuf: sua relação com sua mãe, seu amigo e a prostituta, "Outono" é daqueles filmes que encantam pela forma como a narrativa é apresentada para o espectador:lentamente, com poucas falas, muita poesia e lirismo nas imagens. O excelente trabalho de todos os atores, misturando profissionais e amadores, resulta em uma brilhante recriação da vida em um local onde absolutamente nada importa, apenas esperando o dia de sua morte ( durante o filme, vemos 2 cortejos acontecendo). "Outono" nos faz pensar sobre o que realmente importa na vida. No caso, para Yusuf, mudar o mundo era uma opção de futuro, que resultou frustrado e ele próprio se vê perdido na vida. Um filem triste, muito triste. Um retrato cruel sobre uma geração que não se encontrou no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário