domingo, 14 de dezembro de 2014

Corações de ferro

"Fury", de David Ayer (2014) O Sargento Wardaddy de Brad Pitt revisita o Capitão Miller de Tom Hanks em "O resgate do soldado Ryan". A semelhança dos 2 personagens é tanta, que me fez pensar que o Cineasta e roteirista David Ayer deva ter visto o filme de Spielberg umas 50 vezes para pegar todas aquelas cenas de patriotismo, heroísmo, emoção e sentimento de perda pela vida de cada companheiro que morre. Não que isso seja ruim, até porquê "Corações de ferro"tem o seu apelo. Mas de surpreendente mesmo, o filme pouco oferece, uma vez que vem tudo mastigado, a gente já sabe tudo o que vai acontecer. Menos o desfecho totalmente inverossímel, mas tudo bem, a história precisa chegar a um fim e o roteirista teve que ceder aos apelos do "Deus ex-machina", que acredita na bondade do ser humano mesmo em situações de selvageria que a guerra oferece. O filme narra o confronto entre soldados aliados já no final da 2a guerra, ano 1945. Eles invadiram a Alemanha mas precisam derrotar as frentes alemães que ainda resistem nas cidades do interior. Entre os v;arios fronts, encontra-se o Sargento Wardaddy( Brad Pitt). Ele e seu grupo de soldados ( Michael Pena, que já trabalhou com o diretor em "Marcados para morrer", Shia Labeouf e Jon Bernthal, o Shane de "The walking dead") lutam bravamente dentro do tanque que eles apelidaram "Fury". Um soldado novo e covarde, Norman ( Logan Lerman) integra o grupo. Logo, Norman descobre que os horrores da guerra são mais violentos do que ele possa imaginar. Ótima direção para um filme longo, cheio de clichês mas com excelência técnica: fotografia, efeitos, trilha sonora. O elenco está todo excelente, Brad Pitt segurando com afinco o seu tipo heróico e mesmo assim, tem momentos que me lembrei dele em "Bastardos inglórios", de Tarantino. As cenas de tiros e de explosão lembram o confronto de "Soldado Ryan", com cabeças e corpos explodindo e sendo dilacerados. Para quem curte um filme de guerra com embalagem patriótica americana, esse é um bom pedido. Nota: 7

Nenhum comentário:

Postar um comentário