domingo, 12 de junho de 2016

Nova Dubai

"Nova Dubai", de Gustavo Vinagre (2015) O cineasta paulista Gustavo Vinagre cresceu em São José dos Campos, mas foi estudar Roteiro na escola de Cuba. Após passar anos por lá, voltou para sua cidade e se assustou com a cidade. Vítima da especulação imobiliária, são José dos Campos mudou radicalmente, e com esse crescimento, as pessoas também mudaram. Gustavo resolveu colocar um projeto de curta no Catarse e para sua surpresa, os temas eram tantos, que o curta virou um média de 50 minutos. Misturando a linguagem do documentário com o de ficção, Gustavo se escalou para o elenco, e incluiu, entre outros, seu namorado, o também cineasta Caetano Gotardo, diretor do interessante "O que se move". Gustavo interpreta um jovem de classe média, que mora com a sua mãe, e que passa os dias perambulando pelas ruas com um amigo, com quem transa me lugares públicos. Eles também transam a três com um peão de obra; Gustavo transa com o pai do amigo, e para finalizar, os 2 amigos estupram um corretor de imóveis, interpretado por Caetano. Todas essas cenas, encenadas com sexo real, explícito. Costurando o filme, alguns personagens dão depoimentos, entre eles, um amante de filmes de terror que vai citando filmes famosos. Dito assim, o filme parece uma colcha de retalhos, E é. Muitas das situações são aleatórias, mas no final me pareceu que Gustavo quis, além de criticar o avanço imobiliário ( que inclusive dá nome ao filme, pois um grande empreendimento se chamará de "Noa Dubai"), retratar a solidão e a falta de perspectiva de jovens na grande cidade. O sexo é visto como fetiche ( incesto e estupro), e a violência está em cena explicita ou implicitamente. Não é um filme que a gente possa indicar para qualquer cinéfilo, tanto por conta das cenas de sexo explícito, quando pela aparente falta de lógica da trama. O elogio fica por conta da coragem do cineasta em se expôr de forma tão aberta, o que me fez lembrar de Edgar Navarro, mítico cineasta baiano do underground, que surge em cena defecando no filme "O rei do cagaço".

Um comentário: