quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Whitney

"Whitney", de Angela Basset (2015) Primeiro trabalho na direção da atriz Angela Basset, 'Whitney" é uma cinebiografia de uma das maiores estrelas do show bizz americano, centrado em sua carreira de 1989 a 1994, quando ela conheceu o cantor e marido Bobby Brown, que selaria o seu destino para sempre. Nesse período, houve também o estouro mundial do filme "O guarda-costas"e da música "I wll always love you". No relaacionamento com Bobby, Wjitney afundou na cocaína, por conta do amor doentio e dos ciúmes. Sua mãe e sua agente Robin sempre foram contra o relacionamento com Bobby Brown, que tinha fama de mulherengo e encrenqueiro, mas Whitney não deu ouvidos a ninguém. O que acho estranho nesse filme, é que ele centra em um período muito pequeno na vida de Whitney. Quem é fã não vai curtir muito, ainda mais que o personagem de Bobby Brown divide espaço com o de Whitney no filme, ou seja, é um filme dos 2. Whitney faleceu em 2012, então ainda tinha muita história a ser contada. Pior: todas as músicas não são na gravação original de Whitney, e sim, dubladas na voz de Deborah Cox. Como roteiro, é um filme que segue a cartilha de um dramalhão novelesco. O espectador, senfo fã, já conhece toda a história, e não ali é surpreendente. O que e triste, é saber que em 2015, a filha de Whitney e Bobby Brown, Bobbi Cristina, morreu de forma parecida à de sua mãe, aos 22 anos de idade: em uma banheira, chafurdada nas drogas. Muito triste. A modelo e atriz Yaya Dacosta está ótima no papel título, inclusive nos trejeitos de palco. É um filme com bela direção de arte e figurino. Uma pena que seja tão "flat", sem empolgar o espectador. Whitney merecia um filme que desse valor ao seu grande talento como atriz e cantora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário