terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

A casa de verão

"Das Sommerhaus ", de Curtis Burz (2014) Visto por fora, Markus é um engenheiro de classe média alta, bem casado e com uma linda filha de 11 anos, Elisabeth. Mas a realidade é outra: a sua esposa é depressiva, Markus tem amantes gays e sua filha testemunha em silêncio a falência da estrutura familiar. Um dia, elisabeth traz para casa Johanes, um menino de 12 anos de idade. Markus fica perdidamente apaixonado pelo garoto, e tenta seduzi-lo de todas as formas. Mas Johanes não é tão inocente assim, ainda mais que seu pai está com a empresa quase falindo. A primeira vista, o filme faz lembrar "Morte em Veneza", de Visconti, pelo olhar sexualizado do adulto ante a juventude. Mas as comparações param por aí. A direção de Curtis Burz fica indecisa entre ser um Michael Haneke ou um filme romântico. A trilha sonora, excessivamente cafona, e o ritmo lento do filme o prejudicam. O elenco, corajoso, principalmente no trabalho dos atores Sten Jacobs, no papel de Markus, e Jaspar Fuld, no complexo personagem Johanes, é que seguram o interesse do filme. Não é fácil assistir a um filme tendo como tema a pedofilia. Aqui, o roteiro, espertamente, joga com a virada de personagens, tornando mais "amena" a aceitação do tema. Mas o desfecho bota tudo a perder, partindo para uma ação totalmente inesperada. A única forma de eu aceitar esse desfecho é se for visto de uma forma simbólica.

Um comentário:

  1. Eu. Assisti. Esse. Filme. Ontem. E... Tô indignado com o final. Que merda foi aquela? Serio. Mas... Do restante eu gostei. Principalmente da história em si.

    ResponderExcluir