sábado, 20 de fevereiro de 2016

Spasibo

"Spasibo", de Anais Sartini (2012) Em 2012, a Cineasta francesa Anais Sartini foi até San Petesburgo, na Rússia, para participar de um Festival de cinema, onde o seu curta "Between the bodies" estava participando. Qual não foi a sua surpresa, quando descobriu que o filme foi censurado e proibido de ser exibido. Chocada, ela resolveu dar o troco e expôr esse absurdo para o mundo realizando um curta: "Spasibo" é a resposta. Spasibo, em russo, significa "Obrigado". No dia 7 de março de 2012, o Governo russo emitiu uma lei, estendida para todo o País, onde qualquer propaganda que tivesse o homossexualismo como tema estaria proibido de ser veiculado. No filme, ficção mas trabalhado em formato documental, um ator francês, Clement, vai até San Petersburgh para participar de um Fetsival de cinema. Chegando lá, ele descobre algo muito estranho: ninguém o vê, ninguém o ouve. Ele não existe para os locais. No entanto, ele é visto por um morador da região, que é homossexual. Esse morador explica para o Clement sobre o ocorrido, e que ele mesmo já se acostumou em ser alguém invisível. Dirigido com muita sensibilidade, 'Spasibo" ganhou vários prêmios Internacionais, ente eles, Melhor filme em um Festival de direitos humanos na França. Usar o elemento fantástico talvez tenha sido a melhor opção da cineasta, pois provoca uma interrogação no espectador, sem se tornar extremamente didático. Um belo trabalho sem dúvida, que merece respeito e que consiga ser divulgado o máximo possível para expôr a censura existente na Russia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário