segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Holding the man

"Holding the man", de Neil Armfield (2015) A tragédia de Tim Conigrave e John Caleo, que viveram juntos por 15 anos entre os anos 70 e 90 e que morreram decorrentes de complicações do HIV, rendeu um filme sensível e tocante. Adaptação do famoso livro autobiográfico do próprio Tim, narrando a sua história com John, desde que se conheceram aos 15 anos de idade em Melbourne, Australia, passando pelas saída do armário, pela prática sexual desregrada de Tim, que frequentava saunas e orgias, e a posterior contaminação de ambos. Tim transmitiu o vírus para John, e passou a viver com esse sentimento de culpa até a morte do parceiro. Tim se mudou para a Itália para escrever o livro e o terminou em 94. ele veio a falecer 10 dias depois de terminada a escrita. O filme vai de 76 até 94. Ambicioso, o diretor Neil Armfield convocou atores australianos famosos para papéis pequenos, como Guy Pearce ( que faz o pai de Tim), Geoffrey Rush, no papel do professor de interpretação ( Tim era Ator) e Anthony Lapaglia, que interpreta o pai de John. Neil Armfield mostra sensibilidade na direção e no trabalho com os atores ( em 2006 ele realizou o ótimo "Candy", com Heath Ledger). O que faltou a ele, no entanto, foi noção de concisão. O filme é longo, 2:10 hrs, e com ceretza poderoia ter pelo menos 20 meinutos jogados fora na edição. O filme se torna arrastado lá pela metade. Fora isso, outro erro foi ter escalado os mesmos atores ( aliás, excelentes, Ryan Coor, como Tim, e Craig Stott, como Jon) para interpretarem os personagens de 15 a 31 anos. Eles não convencem com a idade de 15 anos,e fora isso, colocaram perucas pavorosas neles. Pelo menos tem uma excelente fotografia e uma deliciosa trilha sonora, pipocando os hits da época, que dão dinâmica ao filme. A maquiagem é um dos pontos altos do filme. Nas cenas do hospital, são bastante realistas a maquiagem do sarcoma e das feridas dos pacientes com HIV. O desfecho do filme é muito bonito, rodado na Itália. Nota: 7

5 comentários:

  1. Eu já tinha ouvido falar sobre o filme algumas vezes, demorei um pouco pra assisti-lo, depois de ver o filme eu não consigo lembrar dele sem que me emocione...concordo totalmente com as críticas feitas, mas a história contada supera qualquer deslize de produção do filme, posso dizer q é um dos meus favoritos.

    ResponderExcluir
  2. Eu já tinha ouvido falar sobre o filme algumas vezes, demorei um pouco pra assisti-lo, depois de ver o filme eu não consigo lembrar dele sem que me emocione...concordo totalmente com as críticas feitas, mas a história contada supera qualquer deslize de produção do filme, posso dizer q é um dos meus favoritos.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o filme, tem no netflix, me emocionei bastante!

    ResponderExcluir
  4. Também me emocionei bastante, os erros de direção passar batidos com a história emocionate.acabei de ver ele agora tarde pela netflix e não consigo para de pensar nele e não ser emocionar ele mexeu bastante comigo. Agora eu pretendo ler o livro.

    ResponderExcluir
  5. Também me emocionei bastante, os erros de direção passar batidos com a história emocionate.acabei de ver ele agora tarde pela netflix e não consigo para de pensar nele e não ser emocionar ele mexeu bastante comigo. Agora eu pretendo ler o livro.

    ResponderExcluir