sábado, 13 de agosto de 2016

Tudo que Deus criou

"Tudo o que Deus criou", de André Costa Pinto (2012) Produção da Paraíba dirigida pelo estreante em longas André da Costa Pinto, que também escreveu o roteiro, "Tudo o que Deus criou" é um filme visceral, que agrega em um único filme vários personagens decadentes e marginalizados, que segundo os créditos, se baseia em história real. Miguel ( Paulo Philipe) é irmão de Angela ( Guta Stresser), e moram na casa da mãe ( Maria Gladys), que é cega e passa o dia todo reclamando e dizendo que quer morrer. O marido de Angela, Biu ( Claudio Jaborandy) é portador de HIV e contaminou Angela. Ele faz estupra Miguel diariamente, que não conta nada pra família com medo que Biu o chantageie e conte para elas que ele de noite sai nas ruas para fazer michê vestido de mulher. Paralelo, temos a história de João ( Paulo Vespúcio), um funcionário dos Correios, que é visitado todas as tardes por Maura ( Leticia SPiller), uma cega virgem que se excita com as histórias de João e deseja que ele transe com ela. Mas João tem como amante Miguel. Todas as histórias se entrecruzam, mostrando o lado mais sórdido , violento e melancólico dos personagens. Com uma boa direção de André Costa Pinto, o filme tem nas performances o seu ponto alto. Os atores se entregaram por inteiro aos seus papéis. Leticia Spiller realiza aqui a sua performance mais corajosa de sua carreira, saindo totalmente da zona de conforto. Ela somente é prejudicada pelas horríveis lentes de contato que sua personagem usa para mostrar que é cega. Guta Stresser , sem maquiagem, está fantástica, abusando de seu talento incontestável, e com uma cena antológica: quando seu irmão a maquia e veste. Maria Gladys é outra que não tem medo de encarar nenhuma loucura na sua carreira. Um grande destaque é o ator paraibano Paulo Philipe, no difícil personagem de Miguel/ Catarina, sem exageros. Os atores gaus que fazem as outras travestis também são ótimas. De baixo orçamento, é um filme de guerrilha, que tem uma parte técnica irrepreensível para tão poucas condições de produção. Parte da equipe foi formada por alunos da Faculdade local. Tivesse 20 minutos a menos, o filme seria impecável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário