terça-feira, 7 de abril de 2015

Nos deixe rezar

"Let us prey", de Brian O'Malley (2014) Tenso filme de terror irlandês, protagonizado por Liam Cunningham, o Sir Davos de "The game of thrones". Produção de baixo orçamento, tem um engenhoso e bizarro roteiro escrito por David Cairns e Fiona Watson, que muito provavelmente se inspiraram no primeiro filme da franquia "Jogos mortais" e em clássicos dos anos 80, como "Taxi driver", "Suspiria" de Dario Argento e outros filmes de serial killers da época. Repleto de sangue, daqueles bem vermelhos, no nível de "Prelúdio para matar", também de Argento. o filme ganhou vários prêmios internacionais em Festivais que premiam filmes fantásticos e de terror. Longa de estréia do cineasta Brian O'Malley, que conseguiu criar um ótimo clima e atmosfera claustrofóbica em poucas locações, tendo uma delegacia como cenário principal. Ambientado em uma cidade na costa da Escócia, o filme começa com imagens surpreendentemente lindas e góticas do mar batendo, e a figura misteriosa de um homem que aparece no meio das encostas asustadoras. O filme se passa durante uma única noite, de 19 à meia noite. Durante essas 5 horas, acompanhamos um grupo de presos e policiais que ficam aguardando em uma delegacia. De repente, mortes vão acontecendo, provocados por uma espécie de magia que talvez esteja vindo do homem misterioso, que se encontra preso em uma das celas. O roteiro provoca o espectador, para tentar descobrir o que está acontecendo, e ao mesmo tempo, descobrimos que afinal de contas, ninguém naquele ambiente é 100% inocente. A trilha sonora remete ao tema principal de "Halloween", de John Carpenter, com o uso de sintetizadores que provocam arrepios. Os personagens são bem construídos, e no final, parece que estamos testemunhando uma mescla maluca e gore de "Taxi driver" com "Scarface" apocalípitico. É um filme a ser visto por fãs de terror, original e cheio de reviravoltas na trama. Ótima edição, excelente fotografia, escura, provocando um visual bem profano. Nota: 7

Nenhum comentário:

Postar um comentário