quarta-feira, 19 de abril de 2017

Peles

"Pieles", de Eduardo Casanova (2016) O jovem cineasta Eduardo Casanova, mal comparando, é o Xavier Dolan espanhol. Começou cedo na direção, é ator, escreve seus roteiros e realiza filmes totalmente estilizados, com estética publicitária e super pop, e utilizando em sua trilha sonora clássicos vintage. A diferença? Ele usa o universo do grotesco e dos filmes B, além da referencias Lgbts, em seus filmes. "Peles" é uma versão para longa do sue premiado e controverso curta "Eat my shit", sobre uma jovem que nasceu com os orifícios do anus e da boca invertidos. Em "Peles", ele recupera a mesma personagem, mas além dela, ele reúne mais uns 6 personagens de pessoas deformadas e que tentam dar vazão aos fetiches Sexuais provocados por outras pessoas. O centro da historia é um bordel, onde uma menina, Laura, que nasceu sem olhos, é a grande atração para os clientes. Além dela, temos uma anã, um rapaz que quer serrar suas pernas porque acredita ser uma sereia, um casal de rosto deformado e por ai vai. O filme só poderá ser assistido por pessoas com mente aberta, caso contrario, será um escândalo atrás do outro. Pedofilia, fetiches sexuais, escatologia, coprofagia...o cineasta Eduardo Casanova não economizou em cenas de sexo, nudez , obtendo de seu elenco o máximo de realismo em momentos de visceralidade. Sim, o filme tem o propósito de chocar, e por conta disso, acaba perdendo muito de seu foco, que e' apresentar um universo que o diretor Todd Browning havia trazido na sua obra-prima "Freaks". Casanova expõe pessoas com problemas físico como se fossem objetos de escárnio publico. Entre atores maquiados com próteses e anões e gordos de verdade, fica a duvida sobre o que ele realmente quiz falar em seu filme e para quem. Mas como sou um cinéfilo que ama filmes bizarros, gostei bastante. Excelentes fotografia, Direção de arte e trilha sonora.

2 comentários:

  1. Estou assistindo e de fato é um ótimo filme

    ResponderExcluir
  2. Acredito que o tema abordado seja bem atual. Vivemos num mundo de aparências. O filme é bem intrincado, trazendo em situações bizarras, fatos que presenciamos diariamente.

    ResponderExcluir