domingo, 16 de abril de 2017

Melhores amigos

"Little men", de Ira Sachs (2016) O Cineasta americano Ira Sachs tem se destacado na cena indie com filmes que chamam a atenção pelo excelente trabalho de direção de atores e também pelos roteiros comoventes, humanos, que insistir em falar sobre relacionamentos verdadeiros em um mundo cada vez mais tecnológico e egocêntrico. E' dele o filme "O amor é estranho", com John Lighthow e Alfred Molina interpretando um casal gay casados há décadas. O que mais me chamou atenção aqui no filme, é o trabalho brilhante de todo o elenco: Greg Kinnear, os garotos Theo Taplitz e Michael Barbieri e principalmente, essa grande atriz chilena Paulina Garcia, vencedora do Urso de Ouro em Berlin por "Gloria", o extraordinário tour de force dirigido por Sebastian Lelio. "Melhores amigos" é um drama triste. Brian (Kinnear), um ator de teatro independente, se muda com esposa e filho para a casa herdada pelo seu pai no bairro do Brooklyn. Em principio arredio, seu filho Jake aceita morar nesse novo lugar muito por conta da amizade que ele cria com Tony, filho de Leonor, costureira que aluga o andar de baixo da casa do pai de Brian. Com o dinheiro apertado, Brian decide aumentar o aluguel da loja. Impossibilitada de pagar, os adolescentes entram numa espécie de greve, decidindo não mais falar com os seus pais, como uma forma de protesto. O mais interessante no filme, é discutir o papel da arte e do trabalho do ator. Os dois adolescentes desejam se tornar atores, e fazem ensaios em uma escola de artes dramáticas. As cenas de ensaio e exercícios são primorosas, comandadas por Mauricio Bustamente, que na vida real é ator e dá aula na Actor's Studio. A cena de Jake exercitando o método de Meisner com Mauricio é uma obra-prima. Todo Ator deveria ver para entender o que é e o que significa esse método da repetição. O filme foi co-produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira, da RT filmes, que também produziu, entre outros, "Frances Ha".

Nenhum comentário:

Postar um comentário