sábado, 12 de março de 2011

Em um mundo melhor


" Haevnen/ In a better world", de Susanne Bier (2011)

Poderoso drama dirigido por Susanne Bier, diretora dinamarquesa, que iniciou seus filmes no movimento Dogma, com o filme " Corações livres". Ela ficou famosa depois com os premiados " Brothers", " Depois do casamento, e o americano " Coisas que perdemos pelo caminho", com Hale Berry e Benicio del Toro.
" Em um mundo melhor" narra várias histórias que se entrecruzam, baseada em personagens que transitam entre duas famílias distintas. Anton é um médico que serve em um campo de refugiados na África. Ele mora na Dinamarca, mas vive viajando e se divide entre os dois países. Seu filho Elias, adolescente, sofre de Bulliyng na escola. Um dia, surge um novo aluno, Christian, que defende Elias, e os dois passam a ser os melhores amigos. A mãe de Elias é médica, e está sofrendo um processo doloroso de separação com Anton, contra a vontade dele. Ao mesmo tempo, Christian sofre com a morte de sua mãe, por câncer, e culpa o seu pai, Claus pela morte dela. Christian tem transtornos de personalidade, e usa da violência para se vingar de quem abusa dele ou de pessoas próximas a ele.
O filme discute a violência, seja ela externada ou presente internamente em cada um de nós. Os personagens do filme tem o instinto animalesco prestes a eclodir a qualquer momento. Anton, que sofre atos de violência tanto na África quanto em sua casa, procura usar da palavra para se defender do inimigo. Mas o que ele encontra é mais rancor e ódio. Susanne Bier se utiliza de elementos do melodrama para configurar o seu filme. Tem momentos extremamente sensíveis, mas que em mãos de diretor menos habilidoso, esbarrariam feio no dramalhão. Com um excelente elenco em mãos ( incluindo uma atriz que eu amo, presente em vários filmes dinamarqueses, Tryna Dyrholm) e dois garotos espetaculares, que são extremamente expressivos, Bier tem um petardo que seduz os espectadores ávidos por um filme forte e marcante. Muitas cenas fortes, que podem emocionar as pessoas mais sensíveis, fazem desse filme um programa obrigatório. Há quem discuta o tom otimista que prevalece no fim, dando soluções para todos os dramas que surgem ao longo da narrativa. Mas esa é a mensagem que Bier quiz dizer aos seus espectadores. Contar uma fábula , e assim, porque nao mudar o final que nós já sabemos como termina?

Nota: 9

Nenhum comentário:

Postar um comentário