sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Morgan

"Morgan", de Luke Scott (2016) Primeiro longa dirigido pelo filho de Ridley Scott, que produziu o filme. "Morgan" tem elementos na história que lembram bastante "Blade Runner" e "Alien, o 8o passageiro", ambos dirigidos por Ridley Scott. Morgan é uma experiência genética. Desenvolvida por cientistas, e com 5 anos de vida, de repente ela se torna uma máquina mortífera, muito por conta das emoções mal desenvolvidas por ela. Uma agente de gestão de risco da empresa que bancou a pesquisa, Lee, segue até o remoto local aonde a experiência com Morgan está sendo realizada. Chegando ali, Lee é hostilizada pelos cientistas, que querem proteger a cria deles. Mas Morgan se rebela e acaba matando um a um. Com ritmo arrastado na primeira parte do filme, "Morgan"vai ganhando força a partir do meio em diante, quando a ação finalmente acontece. Impossível não se lembrar dos replicantes rebeldes de "Blade Runner", ainda mais que o filme tem uma cena praticamente idêntica: uma entrevista de um cientista com um replicante/Morgan, que acaba em tragédia. Devo confessar que a grande virada no desfecho do filme, que parece ser surpreendente para todos, acaba se tornando bastante óbvia, muito por conta da performance de Kate Mara, no papel de Lee. O grande destaque do filme acaba sendo o elenco bastante cult e eclético: Michelle Yeoh, Paul Giamatti, Rose Leslie ( a Ygrette de "Game of thrones"), Jannifer Jason Leigh, Toby Jones e Anya Taylor-Joy, no papel de Morgan, revelada em "A bruxa". A performance de Anya Taylor-Joy lembra muito o de Alicia Vikander em "Ex machina". Vale a pena assistir o filme, mesmo com seus defeitos no primeiro ato. A pancadaria rola solta a partir do meio e para quem curte violência, é um prato cheio. De qualquer forma, a direção de Luke Scott tem belos momentos, criando clima de tensão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário