quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Entrando numa roubada

"Entrando numa roubada", de André Moraes. Diretor de curtas, clips e publicidade, o longa de estréia do cineasta e músico André Moraes é uma grande salada pop que reverencia filmes autorais de Cineastas "nervosos" e cults como Guy Ritchie, Robert Rodriguez e Tarantino. Em relação a filmes nacionais, fãs de "Dois coelhos", de Afonso Poyart, também irão curtir o filme, pois a estética e a narrativa quase quadrinhos mesclada à animação farão a festa da geração Geek e cinéfilos. Cult do primeiro ao último fotograma, o filme exige do espectador que ele entenda que tudo é uma grande brincadeira com o Universo do Cinema. Nessa metáfora do mundo cruel e injusto dos artistas, técnicos e celebridades do Cinema, vale tudo. Até mesmo roubar e quem sabe, matar. Afinal, como dizem muitos produtores, "Cinema é uma grande jogatina. Para entrar no jogo, tem que saber jogar." A história é bizarra por si só: Um grupo de amigos fazem um filme chamado "Missão explosiva" e aguardam o grande sucesso do blockbuster nacional: Os atores Vitor (Bruno Torres​), Laura (Deborah Secco) e Eric (Julio Andrade), se juntam ao Diretor Walter ( Lucio Mauro Filho) e o produtor Alex ( Marcus Veras). O que era para ser um grande sucesso, acaba se tornando um grande fracasso, e todos literalmente se dão mal. Dez anos se passam, e aí começa nossa história. Decadentes e fracassados, a vida de todos mudou: Vitor virou borracheiro, Laura e Walter animam festa infantil e Eric, virou um mumabeiro sedento de vingança. O Alvo? Alex, que se tornou um Pastor/celebridade e ganha milhões. Eric junta o grupo e resolve armar uma trama para se vingar de Alex. Somente Walter sabe de seu golpe: juntara turma, inventar que irão filmar um longa independente onde eles irão assaltar postos de gasolina ( Walter inventa um método de interpretação, e os atores acreditam que os assaltos são ficctícios). A grana a ser investida vem de um prêmio de roteiro de cem mil reais que Vitor ganhou, junto de 15 mil reais que o patrão de Vitor (Tonico Pereira) doa, com a condição de botar sua filha Leticia ( Ana Carolina Machado) como estagiária. O filme se utiliza de edição dinâmica, animação, efeitos especiais, voz off e todo tipo de recurso técnico e de narrativa para deixar o espectador ligado na tela como se estivesse assistindo a um grande game que tem como tema o Universo do Cinema. A direção de André Moraes é constantemente agregada a recursos estilísticos que trazem um olhar de publicidade ao filme. O roteiro brinca com um clássico do cinema independente que também fala da paixão por produzir filmes, 'Vivendo no abandono", só que aqui, a trama vem embalada no gênero humor negro, ganhando contornos de filme NOIR. Os atores divergem em estilos: alguns apostam em interpretação naturalista, outros vão para o caminho da caricatura ( principalmente o de Marcus Veras). Com personagens tão interessantes, é uma pena que o desfecho os abandone em nome de um final abrupto, como se um fã de video-game simplesmente apertasse a tecla OFF. De qualquer forma, um filme cheio de boas e melhores intenções, que deve ser visto, de novo, como uma grande brincadeira metafórica do Mundo do Cinema e quem entender desse Universo vai provavelmente se divertir mais do quem não entende patavinas do sistema. Editais, métodos de interpretação, câmera go-pro, cross mídia, enfim, todo tipo de jargão profissional está ali presente. Um título mais pertinente ao filme talvez fosse "Vale tudo". Pois aí mora a sacação do projeto: discutir vários temas ( morte do cinema, ascenção da igreja evangélica, desemprego, aumento da violência) , tudo apresentado em formato de apresentação cult. A prova do Amor ao Cinema se encontra na figura de André Moraes: na ficha técnica, ele está como Diretor, Roteirista, Produtor e autor da trilha sonora. Mais Amor, impossível.

Um comentário:

  1. Confira o filme aqui http://detudogratis.com/baixar-entrando-numa-roubada-2015/

    ResponderExcluir