segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Condado macabro

"Condado macabro", de Marcos deBrito (2015) Premiado no Festival de Cinema fantástico de Porto Alegre, Fantaspoa, com o prêmio de Melhor filme, "Condado macabro" é uma grande brincadeira do gênero terror: satirizando filmes clássicos como "O massacre da serra elétrica", "Evil dead" e "Sexta feira 13", o filme provoca risadas e histeria nos espectadores que buscam apenas uma diversão. Há quem sinta medo, afinal, é um filme de terror. Mas realizado no Brasil, o filme brinca ainda com a chanchada: picardia e malícia como se fazia no cinema nacional dos anos 70 e 80. É como se misturássemos os filmes citados com "American pie" ou "Porky's". A trilha sonora também evoca pérolas dos anos 80. Outro filme que também é reverenciado o tempo todo é "Prova de morte" do Tarantino, com sua estética suja e riscos na imagem, inclusive usando o efeito de queimar a película. A história? Bom, pela milionésima vez, um grupo de amigos vai passar um fim de semana em uma casa perdida no meio da floresta. Claro, chegando lá, eles se envolvem com tipos bizarros: palhaços assassinos e uma família de serial killers xerocada do Massacre da serra elétrica. Clichê? Claro, do início ao fim. Sim, você sabe o que acontecerá a cada segundo. Sim, as coisas acontecem. Quem morre primeiro? Dou uma bala para quem adivinhar. E o segundo? O terceiro? O diretor, roteirista e produtores brasileiros não querem e nem pretendem ser originais. Apenas querem se divertir e zoar com os estereótipos do terror. Ninguém aqui tem a pretensão de fazer nada novo. É cinema nacional fazendo o Slasher, e rindo disso tudo. O fã clube de terror pode assistir sem medo, porquê a diversão existe. Fosse um filme de Ivan CArdoso, seria considerado "terrir". No elenco, Leonardo Miggiorin, Paulo Vespúcio e Rafael Raposo ( que já foi Noel Rosa no cinema) são alguns dos atores que devem ter se cagado de rir durante as filmagens. Francisco Gaspar é a grande revelação no papel do palhaço. Deixe o cérebro em casa e se esbalde na sala.

Nenhum comentário:

Postar um comentário