quarta-feira, 4 de maio de 2016

O dono do jogo

"Pawn sacrifice", de Edward Zwick (2014) Drama baseado na história real do xadrezista Bobby Fisher, que no ano de 1972 participou de um jogo de xadrez contra o xadrezista russo Boris Spassky. Essa partida ficou famosa mundialmente, chamando a atenção de todo mundo porquê ela virou uma metáfora da relação Eua/União soviética, que estavam em plena Guerra Fria. A partida foi usada como joguete nesse universo de tensão potítica e social, tendo cada um dos países gerado uma torcida pela vitória, provando a superioridade. O filme apresenta também que os jogadores de xadrez, por conta da extrema concentração, podem provocar para si mesmo uma paranóia que flerta com distúrbios mentais. Bobby, a medida que vai avançando em sua carreira, vai piorando e se isolando do mundo e das pessoas. Ele acabou falecendo em 2008, isolado, refugiado an Islândia, País que lhe concedeu asilo. Muito bem dirigido pelo eclético Edward Zwick, que dirigiu entre outros "Diamante de sangue", "Lendas da paixão" e "Amor e outras drogas". Bem filmado, bem editado e fotografado, o filme mantém constante tensão e interesse, o que é um feito enorme, considerando a natureza do xadrez, um jogo extremamente entediante para quem não está jogando. Usando muitas imagens de arquivo e trilha sonora com clássicos dos anos 60 e 70, o filme tem seu ponto forte no excelente trabalho de Tobey Maguire, aqui em seu melhor papel até então. Trabalhando a neurose do personagem com muita elegância e inteligência, Maguire evita caricatura. Seus olhos estão sempre ali, brilhando, observando. Liev Schreiber também está bem, mas o filme é de Maguire. Edward Zwock sabe disso e coloca uma penca de elenco menos conhecido ao seu redor, deixando que a chama de Maguire brllhe o tempo todo. Bela aula de história e de edição. Recomendado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário