sábado, 27 de junho de 2015

"Jurassic world", de Colin Trevorrow (2015) 20 anos depois, a franquia de "Jurassic Park" retorna, porém sem brilho. A história é praticamente a mesma. Na mesma Ilha da Costa rica, após o evento de 20 anos atrás, um Parque é construído no local. Aberto ao público, e comandado por Claire ( Bryce Howard Dallas), o local ganha injeção de ânimo com o futuro anúncio de um novo dinossauro, que na verdade,é um híbrido criado geneticamente. 2 sobrinhos de Claire passam o final de emana no parque, porém o dinossauro escapa e provoca tumulto. Para poder eliminá-lo, Claire contara com a ajuda de Owen (Chris Pratt). O filme é totalmente previsível, e isso porquê ele constrói personagens exatamente iguais ao original de Spielberg. Além de tudo, a mesma trilha musical, com a famosa música tema, colaboram com a sensação de estarmos vendo o mesmo filme. E claro, os mesmos vilões que gananciosos, querem a continuidade do parque mesmo que esteja sob ameaças ( esse personagem j;a existe desde "Tubarão", de Spielberg, e virou clichê em qualquer filme catástrofe. Então porquê ver o filme? Bom, para início de conversa, é um pipocão produzido por Spielberg. Depois, tem algumas cenas de ação bem dirigidas. Os atores principais ( Pratt e Dallas) estão ótimos. O que ficou ruim? A participação do ator indiano Irrfan Khan ( de "The lunchbox" e "As aventuras de Pi") e Omar Sy ( de "Os intocáveis"), ambos pagando mico em participações sem graça. No mais, é ficar 124 minutos deixando o cérebro em casa, e se deixando levar pela sonoplastia barulhenta e pelos efeitos que anestesiam nossos sentidos e nos fazem querer acompanhar o filme ( que inclusive, achei longo). Ah, o que é diferente? "Os mocinhos do filme são justamente, os vilões do filme original. Nota: 6

Nenhum comentário:

Postar um comentário