domingo, 17 de junho de 2012

Chernobyl

" Chernobyl diaries", de Bradley Parker" (2012) Os irmãos Chris e Paul, e suas namoradas, seguem viajando pela Europa. Um dia, Paul sugere a todos fazerem um tour extremo, ou seja, na Russia, visitar a cidade de Pripyat, vizinha de Chernobyl, para observar os escombros do local, dizimado pela radioatividade que tornou o local uma cidade fantasma. Um outro casal se junta a eles. Eles são levados por um guia, Urih. Chegando lá, se espantam com a desolação do local, mas mesmo asim, sentem um certo fascínio.Ao voltarem para casa, ficam frustrados, pois o carro não pega. Obrigados a passar a noite por lá, descobrem que o local não está deserto, e que animais e seres humanos, contaminados pela radioatividade, habitam o local. Suspense produzido e escrito pelo diretor de " Atividade paranormal", tem como maior mérito, o uso das locações, na Hungria e na Servia. Um cenario totalmente desolador, cinzento, cria uma sensação de constante pavor. Os diálogos e a atuação são fracos, e o filme tinha tudo para ser um cult. O diretor deveria ter explorado mais os animais, assim como em " A cabana da floresta", que aposta na bizarrice. O filme tenta ser um híbrido de " O albergue", " Viagem maldita" e " A cabana da floresta", mas sem atingir o suspense ou a tensao dos filmes citados. A gente nunca ve quem os ataca, tudo é sugerido, o que é uma bobagem. O filme aposta nas imagens escuras, que escondem a horda de canibais, e tambem tudo é muuito previsivel. Os personagens vao cada vez mais se metendo em situação pior que a anterior. Essa formula dos personagens que querem fazer algum tipo de turismo de risco jã se esgotou, ne. Nota: 5

Um comentário: