sexta-feira, 29 de junho de 2012

Minha irmã

"Le enfant d`en haut", de Ursula Meier (2012)
Na Suiçã, nos Alpes, vivem Simon e Louise. Ambos são irmãos, ele com 12 anos, ela nâo mais que 22 anos. Ambos vivem aos trancos e barrancos. Õrfaos, Simon sobrevive de pequenos roubos, que ele pratica, roubando turistas na estação de esqui. Louise, por sua vez, se envolve com um jovem playboy. Uma terr~ivel revelação fara com que os dois irmâos se estranhem e se odeiem. Bom drama, dirigido por Ursula Meirer, mesma diretora de " Home", com Isabelle Huppert. Vencedor do Urso de prata em Berlin em 2012. A grande surpresa do filme é a presença da atriz Gillian Anderson, famosa por sua participação no seriado " Arquivo X". Li uma critica que compara o estilo narrativo do filme com os filmes dos irmãos Dardenne. Pode ate ser, mas existe um distanciamento. Os irmãos Dardenne possuem uma linguagem que mistura o formato documental´, mas mantendo sempre o foco no protagonista. E também trabalham com a questão do humanismo, da redençâo do ser humano perante uma questão social que afeta a sua vida. Ursula Meier porém, provoca momentos de reflexão, causando muitas vezes um ritmo muito lento, que cansa. A grande força do filme é a atuação de Lea Seydoux e Kacy Mottet Klein, ambos interpretando Louise e Simon, respectivamente. De uma forma realista , os dois atores conferem dramaticidade o suficiente para causar empatia e ira dos espectadores. Tivesse 15 minutos a menos, o filme teria atingido ainda mais o seu intento. Nota: 7

sábado, 23 de junho de 2012

Para Roma com amor

" To Rome with love", de Woody Allen (2012) Em Roma, várias histórias se entrecruzam. Hayley é uma jovem turistaamericana, que se apaixona por um italiano, Michelangelo. Os pais de Hayley, Jerry (Woody Allen) e Phyllis (Judy Davis)resolvem visita-la e conhecer o jovem e seus pais. Jerry é um produtor de operas aposentado, que se impressiona com o pai de Michelangelo, um aspirante a tenor que se aventura a cantar quando toma banho. Alec Baldwin interpreta John, um arquiteto que está em Roma para passear. Ele encontra por acaso Jack (Jesse Eisemberg), um estudante de arquitetura qe o apresenta a sua namorada. Monica (Ellen Page) é uma atriz que vem visitar a namorada de Jack, que claro, acaba se apaixonando por ela. A terceira história é a de um jovem casal italiano, que vem até Roma para que o noivo apresente seus parentes à noiva. Mas ao sair pra rua, ela se perde. enquanto isso, seu noivo é visitado por uma prostituta, Ana (Penelope Cruz). A quarta história é sobre um homem comum, Leopoldo (Roberto Benigni), casado e com filhos, que um dia, subitamente, é alçado a condição de celebridade. Sua vida vira às avessas. Divertida comédia, onde Allen mais uma vez apresenta as suas neuroses e temas comuns à sua filmografia: Morte, traição, musica...e para o espectador, fã de Allen, é uma delicia reve-lo em cena, após tanto tempo sem aparecer em seus filmes. O filme não é perfeito, tem seus altos e baixos, mas no geral, é muito divertido, com varias gagas impagáveis, e outras ingenuas ( como na historia de Roberto Benigni). O filme faz referencia a variosclássicos italianos, como " Amarcord", " O sheik Branco", " Noites de Cabiria", Ontem, hoje e amanha", além de trazer a tradição das comédia sitalianas dos anos 70, principalmente de Dino Risi. que eram basicamente pequenas histórias entreçaladas com base no cotidiano das pessoas comuns. Nota: 8

Os acompanhantes

" The extraman" de Shari Springer Berman, Robert Pulcini (2010) Louis Ives ( Paul Dano), um jovem professor em uma Universidade, é pego pela diretora vestindo roupas de mulher. Ele acaba se demitindo, e segue para Manhattan, para tentar a vida de escritor, seu grande sonho. Louis aluga um quarto em um prédio de classe media baixa. Assim, ele conhece Harry Harrison (Kevin Kline), um escritor de peças e ex-ator, que vive de lembranças do passado. Harry é um bon vivant e malandro. Ele ensina a Louis a arte de entrar de graça em operas, enganar as pessoas e principalmente, a arte de srr um acompanhante de senhoras ricas. Louis acaba conseguindo um emprego em uma editora, e lá, ele conhece Mary (Katie Holmes), uma jovem por quem ele se interessa. Mas o comportamento introspectivo e estranho de Louis o afasta das pessoas, e ele ao mesmo tempo, precisa descobrir como realizar seu fetiche de se vestir de mulher. O filme é vendido como uma comedia, o que na verdade ele nem é. Se pensarmos bem, é um drama com algumas tintas comicas, mas no geral, ele carrega um tom melancolico que psa bastante. Os personagens são solitarios, depressivos, e trazem muita tristeza na falta de perspectiva em suas vidas. Kevin Kline e Paul Dano estão brilhantes, dando vida a dois personagens tao complexos e interessantes. O elenco de apoio, que conta com Katie Holmes e um muuto doido John C. Reilly, estão corretos. O filme é muito bizarro, situacoes estranhissimas surgem ao longo da narrativa, causando uma constante estranheza. Parece até filme de Spike Jonze. O filme não é perfeito, tem problemas de ritmo. Ele começa muito bem, e lá pelo final perde o rumo. Mas no geral, vale pela coragem dos diretores de encarar um texto difcil e pouco atraente para o grande publico. Nota: 7

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Febre do rato

de Claudio Assis (2011) Febre do rato,na giria do recife, significa " estar fora de controle". Assim é Zizo (Irandhir Santos) , o poeta, figura popular, amado por todos da redondeza. Zizo promove o seu jornal tabloide, de nome " Febre do rato", e o distribui, ora recitando seus poemas, ora declamando discursos politicazos. Ele vive amores com duas velhas senhoras, se envolve com os seus vizinhos, entre eles um asal, Matheus Nachtergaele e Vanessa, um travesti, e Juliano Cazarré, as voltas com sua amante negra, e ela, com mais dois amantes. Um dia, Zizo se apaixona por eneida (nanda Costa), que lhe nega relacoes sexuais, e ele enlouquece. O melhor filme de Claudio Assis, obviamente, recheado de cenas polemicas e chocantes, que envolve sexo e nudez. Zizo é um alter-ego de Claudio Assis, um artista inconformado, anarquico, libertino e libertario. Atraves desse personagem, Assis expoe sua raiva, seu rancor por uma sociedade alienada, e promete baguncar o coreto. O elenco está formidavel, com destaque, enttre os grandes atores que fazme ponta, para Irandhir Santos, Nanda Costa, Maria Gladys, Juliano Cazarré, Matheus Nachtergaele e a travesti Vanessa. A fotografia em preto e branco de Wlater Carvalho é um desbunde, mesma coisa a direção de arte a cargo de Renata Ferreira. Recheado de belíssimos planos, meticulosamente estudados, o filme exala paixao e muito cinema , lembrando a garra dos cineastas do Cinema Novo. Nota: 9

domingo, 17 de junho de 2012

Moveis minúsculos

" Tiny furniture", de Lena Dunham (2010) Aura (Lena Durham) é uma jovem que volta para a sua casa, em Tribeca, New York, após se formar na Universidade de Cinema. Frustrada sexualmente, amorosamente e profissionalmente, ele tenta buscar uma motivação para sua vida. Ela volta a conviver com a sua mãe ausente, uma artista plástica renomada, e com a sua irmã adolescente, que faz um estilo totalmente diferente do dela. Aura conhece um performatico numa festa, Jed, que ela descobre ser um sem-teto, e o traz para morar com ela por alguns dias, sem que a familia descubra. Ao mesmo tempo, ela vai trabalhar como recepcionista num bar, e conhece o chef, Keith, por quem ela tambem se interessa. Interessante comédia dramatica independente,escrita, dirigida e interpretada por Lena Durham. Ela faz um estilo meio Woody Allen de ser, questionando aos outros e a si propria o tempo todo. É um filme honesto, divertido, apesar de perder o ritmo e ser mais longo do que o necessário. Mas vale pelo sabor naturalista que a diretora imprime ao filme, e pelas situacoes cotidianas que ela mostra, facilmente identificaveis pelo espectador.O elenco é bom, e dentro das limitações de um film de tão baixo orçamento, o filme cumpre perfeitamente o seu papel: trilha sonora, fotografia, edição, tudo muito bem executado. Nota: 7

O exótico hotel Marigold

" The best exotic Marigold Hotel", de John Maden (2011) Um grupo de aposentados ingleses, cada um com sua propria vida, e sem se conhecerem, resolvem largar suas vidas de derrotas e frustrações em Londres e seguir até a India, para se hospedarem naquele que eles acreditam ser um Hotel de categoria para poder repensar suas vidas. Entre eles, Evelyn (Judy Dench), Miss Donahhel (Maggie Smith) e Graham (Tom Wilkinson). Chegando lá, são recebidos por Sonny (day Patel), o dono do local. Para desespero deles, oHotel não é como eles imaginavam. Mas dia a dia, boa parte dos hóspedes irá aprender que a vida segue seu rumo, e que todos devemos aproveitar o nosso destino. Deliciosa comédia, com fortes tons dramáticos, que junta um time de primeira grandeza de atores ingleses. Sim, assim como " Encontros desencontros", o filme aposta no exotismo e nos esterótipos para poder mostrar a India para o mundo, como um local super-povoado, sujo, caótico, de comida pavorosa, de extrema pobreza. Ma stambem mostra que lá, as pessoas vivem com pouco, sao felizes. O contraste que o filme faz com a nublada e cinzenta Londres, e a ensolarada e colorida India, nos faz acreditar que estamos no lugar ideal para poder viver e encontrar amores e prazeres na vida. O filme tem õtimos diálogos, boas cenas de humor, e também, momentos de reflexao da vida, atraves das falas em off de Evelyn, que traz com sua sabedoria de quem viveu momentos de alegria e tristeza, palavras de conforto e luz. Um belo filme, honesto, grandioso em sua mensagem edificante, apesar do tom de conto de fadas. Nota: 8

Chernobyl

" Chernobyl diaries", de Bradley Parker" (2012) Os irmãos Chris e Paul, e suas namoradas, seguem viajando pela Europa. Um dia, Paul sugere a todos fazerem um tour extremo, ou seja, na Russia, visitar a cidade de Pripyat, vizinha de Chernobyl, para observar os escombros do local, dizimado pela radioatividade que tornou o local uma cidade fantasma. Um outro casal se junta a eles. Eles são levados por um guia, Urih. Chegando lá, se espantam com a desolação do local, mas mesmo asim, sentem um certo fascínio.Ao voltarem para casa, ficam frustrados, pois o carro não pega. Obrigados a passar a noite por lá, descobrem que o local não está deserto, e que animais e seres humanos, contaminados pela radioatividade, habitam o local. Suspense produzido e escrito pelo diretor de " Atividade paranormal", tem como maior mérito, o uso das locações, na Hungria e na Servia. Um cenario totalmente desolador, cinzento, cria uma sensação de constante pavor. Os diálogos e a atuação são fracos, e o filme tinha tudo para ser um cult. O diretor deveria ter explorado mais os animais, assim como em " A cabana da floresta", que aposta na bizarrice. O filme tenta ser um híbrido de " O albergue", " Viagem maldita" e " A cabana da floresta", mas sem atingir o suspense ou a tensao dos filmes citados. A gente nunca ve quem os ataca, tudo é sugerido, o que é uma bobagem. O filme aposta nas imagens escuras, que escondem a horda de canibais, e tambem tudo é muuito previsivel. Os personagens vao cada vez mais se metendo em situação pior que a anterior. Essa formula dos personagens que querem fazer algum tipo de turismo de risco jã se esgotou, ne. Nota: 5

sábado, 16 de junho de 2012

Apartamento 143

" Emergo", de Carles Torrens (2011) Alan é pai de 2 filhos, e sua esposa morreu em acidente de carro. Estranhos fatos acontecem após a morte dela, e ele resolve se mudar para um outro apartamento. Por~em novamente, fatos estranhos ocorrem, e Alan resolve pedir socorro a um trio de parapsicõlogos, que aportam em sua casa com equipamentos de alta geração, para tentar descobrir o que estã acontecendo no local. Arremedo de vários filmes de terror, principalemnte " Atividade paranormal", " O exorcista", " o grito", O orfanato". A mesma premissa de " A bruxa de Blair", com o " found footage", ou seja, o filme todo é visto pelo ponto de vista de uma cãmera. Porém, diferente dos outros filmes mencionados, esse aqui é amador, e aonde ele tenta pregar sustos, o efeito e´contrario: ri muito, as cenas são trash demais, e o ritmo, enfadonho. Os atores sao pessimos, os efeitos, ate para um padrao baixo orcamento, estao ok, mas o filme nao oferece nenhum momento de susto. Melhor, talvez um, bem construido até, onde vemos a cena atraves de flashes de um aparelho que iluminado ambiente escuro, mas aí é pouco demais, para 80 minutos de filmes. O final é pavoroso e obvio. Nota: 2

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Madagascar 3- os procurados

" Madagascar 3, Europe´s most wanted", de Eric Darnell, Tom McGrath and Conrad Vernon (2012) Alex, Gloria, Marty e Melman tentam fugir da Africa de uma vez por todas. Para isso, resolvem ir até Monte Carlo em busca dos pinguins e dos macacos, para, juntos seguirem até New York. Porém, uma chefe de polícia, Chantel Dubois, resolve estragar os planos deles, e capturar Alex, para ter sua cabeça embalsada na sua coleção. Os animais resolvem se refugiar num circo, e se juntam a outros animais. Excelente parte final da trilogia, com õtimo humor, excelentes piadas, timing perfeito e muitas cenas antológicas. A cena de Chantal Dubois cantando " Je ne regrette rien" é sensacional. O filme é bastante colorido, o uso do 3D é muito bom, e a trilha sonora muito bem-vinda. Vale super a pena ser visto por todos, é diversão garantida. Um ponto altíssimo é o das vozes originais, que tem além dos comediantes dos protagonistas, Frances Macdormand dublando Chantel. Muito bom. Nota: 10

Branca de neve e o caçador

" Snow white and the huntsman", de Rupert Sanders (2012) A Rainha Ravenna (Charlize Theron)mata o rei do reino, e faz de Branca de neve sua prisioneira, trancando-a no castelo. Os anos se passam, e o espelho mágico revela à Rainha que Branca de Neve (Kistern Stewart) irá superá-la em beleza e que tambem está predestinada a governar o reino. Temendo que isso aconteça, Ravenna contrata à força um caçador, Eric (Chris Hesworth) para levála até a Floresta Negra e mata´la. Mas ele logo se apaixona por ela, e resolve ajudála a domina o reino, com a ajuda dos 8 anões. Boa fantasia, prejudicada por um roteiro sem grandes emoções, mas com ótimos efeitos e figurinos, além de fotografia e direção de arte. Mas algumas cenas não são bem realiadas, como a do ataque dos anões pela primeira vez. de qualquer forma, mil vezes superior ao filme " espelho, espelho meu". Vale como curiosidade, e mais nada. Nota: 6

O idiota do nosso irmão

" Our idiot brother", de Jesse Peretz (2011) COmentarios em breve Nota: 7

sábado, 9 de junho de 2012

domingo, 3 de junho de 2012

Sombras da noite

"Dark shadows", de Tim Burton (2012) Em 1752, a poderosa familia Collins sai de Liverpool e segue até Collinsport, Maine, nos Estados Unidos. Chegando lá, Barnabas (Jonnhy Depp) conhece Angelique (Eva Green), que na verdade é uma bruxa. Apaixonada por Barnabas, mas tendo o amor náo correspondido, Angelique resolve rogar uma maldicao, transformando BArnabas em vampiro e matando a sua amada, que se joga de um precipicio. Barnabas é enterrado vivo, mas é solto por um grupo de escavadores em 1972. Barnabas vai até o seu castelo, e descobre que ele está sendo habitado por descendentes de sua familia, agora administradores de uma peixaria na cidade. Como rivais no comercio, Angelique, que descobre o retorno de Barnabas e resolve reaver o seu amor, sem saber que Barnabas se apaixonou por Victoria, a tutora de menino David, filho de Eisabeth (Michelle Pfeiffer), atual administradora da mansáo. Esse novo filme de Burton tem pouco apelo para o publico infanto-juvenil, reservando a sua historia e ambientacao para um publico mais adulto. Com excelente direcao de arte, figurinos e maquiagem, ambientando o filme nos anos 70, o filme ainda reserva uma otima trilha sonora, com classicos da década, com um rigor visual impressionante. A caracterizacao de Johhny Depp é um dos pontos altos, além do uso de efeitos que lembra bastante os filmes "A morte lhe cai bem"e "Carrie, a estranha". filmes que com certeza, Burton se inspirou. O filme tem um ritmo lento, muitos dialogos, o que pode frustrar bastante os seus fãs, mas já na segunda metade ganha mais ritmo e acao. O filme com ceretza nao agradara muita gente, mas vale demais pelo seu apuro tecnico e visual. Nota: 8