quinta-feira, 31 de maio de 2012

Passe livre

"Hall pass", de Bobby e Peter Farrely (2011)
Comentarios em breve Nota:7

Adam

"Adam", de Max Meyers (2009)
Adam é um jovem que mora em Manhattan, que possui a Sindrome de Asperger. Ap[os a morte de seus pais, Adam se sente solitário. Perde o emprego e acaba ficando sem rumo. A sindrome o faz ter apreco por repeticoes e confundido como autista. Um dia, Beth, uma professora de criancas e autora de livros infantis, se muda para o prédio de Adam. Logo de cara Adam se apaixona por Beth, mas a sua condicao a afasta. Aos poucos, por[em, Beth vai se afeicoando a Adam, pela sua pureza e verdade. Mas os pais de Beth sáo contrários ao relacionamento, e Adam terá que lutar por ela. Bom drama, que, assim como o filme "Tao forte e tao perto", que tem um menino com a mesma sindrome, acaba irritando o espectador, pelas caracteristicas da doenca que sao muito chatas e repetitivas. Mas a boa atuacao do elenco, somado ao charme de filme independente, criam interesse no espectador, que se simpatiza com o drama do personagem. Náo esperem um grande filme, apenas um projeto que traz novidades quanto a doenca, e que tambem desperta interesse pela exposicao da soldiáo de um ser humano em uma grande Metropole. Nota: 7

Os pinguins do papai

"Mr Poppers penguins˜, de Mark Waters (2011)
Tom Popper (Jim Carrey) e'um corretor de imoveis divorciado e pai de dois filhos, um menino e uma adolescente. Na sua infancia, Tom quase nao teve contatos com seu ai, que viajava o mundo todo e apenas se falavam via radio de longa distancia. Tom sentiu a ausencia do pai e isso causou traumas em sua vida. Adulto, ele descobre que o seu pai morreu, e que lhe enviou de presente uma caixa, que Tom descobre ter um pinguim vivo em seu conteudo. De inicio, Tom rejeita o pinguim, que vao destruindo tudo em sua casa. Mas logo se afeicoa a ele. O que ele nao sabe [e que uma nova remessa vinda de seu pai lhe envia mais 5 pinguins. Desesperado, ele liga para o zoologico para se livrar de todos, mas ante a docura e carinho dos pinguins, e o amor que seus filhos e ex-esposa conferem aos bichinhos, fazem Tom mudar de ideia e criar os bichos. Mas isso lhe afastará de seu trabalho, o que lhe causa problemas profissionais. Obviamente inspirado no desenho "Madagascar", inclusive citando cenas onde os bichos ganham coragem e perambulam pelas ruas de Nova York, [e um filme familia muito simpatico. Sim, Jim Carrey continua fazendo inumeras caretas, mas ele pessoalmnete nao me incomoda. CArla Gugino, que interpreta sua ex, está ótima, assim como Angela Lansbury, em pequena participacáo. Claro, as estrelas aqui sáo os pinguins, concebidos digitalmente, mas os efeitos sáo otimos. O que estranho é o fato dos bichinhos andarem nas ruas e num museu, numa cena chave, e ninguem perceber a presenca deles. De resto, uma sessao da tarde bem agradavel. Nota: 7

terça-feira, 29 de maio de 2012

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Garota eslovena

" Slovenka- A Slovenian girl" , de Damjan Kozole (2009)
Aleksandra (Nina Ivanisin) é uma estudante do curso de inglês em Ljubljana, uma cidade grande da Eslovênia. Aleksandra é de Krsko, uma cidade do interior, onde mora o seu pai divorciado e roqueiro, com quem ela passa seus fins de semana. O que ninguém sabe é que Aleksandra é uma prostituta, e com o dinheiro do trabalho, ela financia um apartamento e outros luxos. Um dia, um de seus clientes morre do coração e ela muda de codinome, mas dois cafetões resolvem tirar proveito de sua situação e a ameaçam. Bom drama vindo da Eslovênia, país que eu não lembro de ter visto outro filme. Mas ele se assemlha bastante a filmes alemães, Tchecos e afins. Muita frieza narrativa, um mundo cruel e sem perspectiva, onde as pessoas passam o seu tempo pensando em morte e planos sem futuro. A performance de Nina Ivanisin é ótima, mas o roteiro não traz nenhuma novidade. O acerto dos roteiristas foi de não cair no óbvio no seu desfecho, e assim, crirar uma outra perspectiva para a personagem. Apesar do tema , o filme não tem nudez, e é até pudico em relação ao erotismo. Vale como curiosidade. Nota: 7

domingo, 27 de maio de 2012

Plano de fuga

" Get the gringo", de Adrian Grumberg (2012)
O Gringo (Mel Gibson)é um criminoso, que foge da polícia americana, por ter roubado milhões de um criminoso nos Estados Unidos. Ele acaba sendo preso no domínio mexicano, e é levado até a penitenciária local. O presídio está com super-lotação, e o território mais se assemelha a uma grande favela. Javi é o banido que controla o local, e ele cria um garoto que tem o sangue compatível com o dele, o que o torna o doador de fígado ideal para a sua sobrevivência. Esse mesmo garoto de 10 anos ajudará O gringo a se manter vivo na prisão. Ao mesmo tempo, o criminoso americano, de quem o gringo roubou o dinheiro, deseja recuperar sua grana. Filme de ação dirigido pelo Assistente de direção de vários blockbusters, incluindo " Apocalypto", de Mel Gibson, que inclusive foi um dos produtores desse filme. Aqui, Mel Gibson resgata a simpatia e humor de seus personagens mais famosos, entre eles, o do policial da série " Máquina mortífera". O filme alia humor, ação e muita violência, adminstrados com competencia por Adrian Grumberg. O roteiro, no entando, cumpre a sua função, a de ser um passatempo, apesar dos esforços em querer fazer um registro sociológico dos presos no México, e da corrupção reinante no Governo e na Polícia. Nenhuma novidade, muitos clichês, mas tecnicamente, o filme agrada pela sua montagem frenética, a fotografia suja e alaranjada e pela trilha sonora, a cargo de Antonio Pinto, que resgatou muitos hinos cults em versão latina. O ponto alto fica por conta do trabalho do menino Kevin hernandez, surpreendente no difícil papel do menino, que com pouca idade, já se mostra um adulto. Nota: 7

A fada

" La fée", de Dominique Abel, Fiona Gordon e Bruno Romy (2011)
Dom é um sujeito simples,que mora em Marselhe, em la Havre. Ele trabalha como recepcionista de um hotel praiano, sem muito conforto. Uma noite, uma mulher, Fiona, chega no Hotel e diz que Dom pode pedir 3 desejos,e que ela é uma fada e que irá realizá-los. Porém, Dom somente pede 2 desejos. Fiona desaparece no dia seguinte, e Dom vai em sua busca, uma vez que ambos se apaixonaram um pelo outro. Dos mesmos realizadores de " Rumba", uma sensacional homenagem ao cinema visual de Jacques Tati, em " A fada" os 3 cineastas e atores tentam reproduzir o mesmo carisma, num universo pautado pela fantasia e fábula. Infelizmente, não consgeuem chegar no mesmo patamar de excelência, muito por conta do excesso de exibicionismo dos atores, e também do roteiro frágil e sem nexo. A fotografia, bela, reproduz a obra do pintor Hopper, em seu mundo de neon e solidão. Mas o ritmo lento,e as piadas longas e arrastadas, provocam mais estranhamento do que magia. O mundo pertence aos feios e desajustados, e essa é a mensagem dos realizadores, que buscam na nostalgia e no visual antigo dos anos 50 e 60, atrair a audiencia ao seu mundo tão particular. Nota: 7

sábado, 26 de maio de 2012

A delicadeza do amor

" La delicatesse", de David e Stephane Foenkinos (2011)
Nathalie (Audrey Tautou) é uma jovem romântica. Depois de conhecer François, sua vida se transforma. Mais feliz do que nunca, ambos constroem uma vida em conjunto. Um dia, porém, François sofre um grave acidente e morre. NAthalie passa 3 anos de luto, e nesse meio tepo, ela projeta sua depressão no trabalho, se tornando uma funcionária exemplar. O seu patrão tenta seduzi-la, mas sem sucesso. Nathalie se junta a um grupo dentro de seu trabalho para podera presentar o projeto para um cliente. Markus, um sueco, está no grupo, e logo de cara se apaixona por Nathalie, após ela lhe roubar um beijo, em um momento de tristeza. Feio e desengonçado, MArkus logo desperta a ira do chefe, dos amigos de Nathalie e dele mesmo, que tem auto-0estima zero para poder conquistar o amor de Nathalie. Ótimo filme, que mescla com precisão drama, comédia e romance. A primeira parte do filme pesa no drama, mas quando surge o personagem de Markus, tudo muda. Aliás, o tom da comédia é muito semelhante ao de Woody Allen. Pode-se até dizer que Markus é um alter-ego de Allen. Os diálogos são saborosos, as cenas hilárias, e muito romantismo, nesse que poderia ser uma continuação açucarada de " Meia-noite em Paris". Audrey Tautou nasceu para esses papéis da mocinha desamparada, e o ator François Damien é muito divertido. A cena final é de uma beleza desconcertante. Para se assistir e sair do cinema leve. Nota: 9

Homens de preto 3

" Men in black 3", de Barry Sonnelfeld (2012)
Comentários em breve Nota: 6

sexta-feira, 25 de maio de 2012

O vendedor

" le vendeur", de Sebastien Pilote (2011)
Marcel Lévesque é um vendedor de carros, que exerce a profissão a mais de 40 anos. Atualmente com 67 anos, ele é viúvo. A sua rotina consite em trabalhar o dia inteiro na concessionária, e de noite segue para a sua casa, para dormir. Ele tem uma filha, Nathalie, que trabalha em um salão, e um neto. Nathalie segue pedindo ao pai para se aposentar, mas ele insiste que a sua vida é vender carros. Porém, as vendas dos carros caíram drasticamente, devido ao fechamento da maior fábrica da região, que demitiu mais de 2000 funcionários. Marcel parte então para golpes baixos para seguir na venda e ganhar mais uma vez o prêmio de maior vendedor da loja. Drama canadense, com bela footgrafia, que capta a neve e a atmosfera branca da região, causando sensação de desolação. O filme tem uma mensagem pessimista, e demanda melancolia o tempo todo. Porém, é longo demais, e deveria ter meia hora a menos. Na cena ápice, quando a gente acha que o filme vai acabar, o diretor estica em mais meia hora. O filme é extremamente arrastado, e cansativo. O ponto alto é a atuação de Gilbert Sicotte, no papel de Marcel. Nota: 6

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Flores do oriente

" The Flowers of war", de Zhang Yimou (2011)
Em 1937, a cidade de Nanquim, na China, é tomada pelas tropas japonesas, que promovem verdadeiras barbáries contra a população, massacrando-os. John Miller, um agente funerário, se esconde numa igreja católica, e lá, ele encontra o garoto George e um grupo de meninas, estudantes católicas. Nessa mesma igreja, um grupo de prostitutas de um bordel local também buscam abrigo. Um conflito se estabelece entre esses dois universos: o das estudantes católicas, e a do grupo libertino das prostitutas. Porém, os japoneses tomam de assalto a igreja, e John Miller resolve vestir a batina de padre e assumir o seu posto, na tentativa de defender as mulheres. Grandioso filme de Yimou, que aqui estabelece um rigor técnico, nas inumeras cenas de batalha e violência. A direção de arte, a fotografia, o trabalho de cãmera, se unem para trazer a tona essa história de barbárie. As cenas de estupro e assassinatos são pesadas, mas de inegável força dramática. O trabalho de todo o elenco é a grande força do filme, que estabelece conflitos e valores morais, que fazem os personagens passarem por constantes tranformações. As cenas de efeitos especiais também são mutio boas. O roteiro do filme é tenso, mantendo sempre o interesse do espectador, mesclando melodrama , sem medo de exagerar no piegas. A cena que Shu, a jovem estudante, imagina as prostitutas dançando e cantando, é antológica, de uma beleza plástica incomum. O filme é longo, 146 minutos, mas vale cada segundo. Imperdível. A curiosidade fica em ver Christian Bale de novo ao personagem mutio próximo ao filme que o lançou, " O império do dol", de Spielberg. Na mesma situação, ele fica enclausurado numa espécie de campo de concentração,na mesma China que sofreu a invasão na segunda guerra mundial. Nota: 8

domingo, 20 de maio de 2012

O corvo

" The raven", de James Macteigue (2012)
No sex XIX, em Baltimore, vive Edgar Allan Poe (John Cusack), famoso escritor de contos policiais. Porém, devido à morte de sua esposa, por tuberculose, Poe se encontra alcoolatra e largado, trabalhando em uma empresa jornalística, aonde assina uma coluna. Por é apaixonado por Emily Hamilton, filha do militar Capitão Hamilton, que proíbe o amor entre os dois. Assassinatos começam a acontecer na cidade, e o detetive Fields (Luke Evans) descobre que as mortes estão relacionadas aos contos de Poe. Assim, Poe e Fields se juntam para tentar descobrir o paradeiro do assassino, uma vez que Emily é sequestrada por ele e se torna uma possível vítima. Curiosa produção, que faz uso ficcional do que poderia ter acontecido com Poe, antes de sua morte, supostamente por envenenamento. O filme me lembrou o tempo todo de " Do inferno", com Jonnhy Depp: a mesma ambientação do Sec XIX, as mortes, o clima soturno. Aqui, porém, o diretor abusa das mortes, mais para " Jogos mortais", sem sutileza alguma. A morte com o pêndulo foi totalmente desnecessária, não combina com a elegância da história. John Cusack está caricato, Luke Evans se esforça em dar credibilidade no papel do detetive meio Shelock Holmes, e Alice Eve me lembrou o tempo todo de Kisrten Stewart. O roteiro vai no esquema de " Quem matou", e na revelação final, fica aquela sensação de: mas quem era essa pessoa mesmo. O ritmo na primeira parte do filme é lento, só ganhando vigor na parte final. James Macteigue, mesmo diretor de " V de vingança", bem que tentou, mas não troue novidades ao gênero. Preferiu apostar no gore, do que no roteiro. Nota: 5

sexta-feira, 18 de maio de 2012

O que eu mais desejo

"Kiseki- I wish", de Korekazu Kore-eda (2011)
Koichi, um menino de 12 anos, mora com sua mãe e seus avós numa cidade onde um eminente vulcão ameaça explidir a qualquer momento. Koichi tem um desejo, que quer realizar: unir sua família de novo: seu irmão caçula e seu pai, um músico desempregado, saíram de casa, após a discussão com a esposa. O pai e o irmão moram na costa contrária ao de Koichi, que, ao cotrário dos moradores, deseja que o vulcão exploda, para que, enfim, ele possa retornar a morar com seu pai e irmão e unir a família de novo. Koichi acredita que se ele estiver no local aonde os 2 trem-balas, em sentidos contrários, se encontrem, seu desejo será realizado. Assim, ele parte com seus amigos para esse local, junto de seu irmão e as amigas dele, para que possam todos realizar os seus desejos. Formidável filme do mesmo diretor de " Ninguém pode saber", é uma fábula sobe amizade, aventura, companheirismo. Temas como família e humanidade se encontram aqui, lindamente interpretada com muito naturalismo e espontaneidade pelo elenco infantil. O filme, melancólico, reserva ótimos momentos de humor, além de uma ternura, encontrada na cena dos encontros dos meninos com uma dupla de idosos. Essa cena é antológica. O filme me remeteu o tempo todo a dois clássicos sobre a infãncia que eu venero: " A idade da inocência", de Truffaut, e " Conta comgo" de Rob Reiner. Imperdível. Nota: 10

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Oslo, 31 de agosto

" Oslo, 31 august",de Joacuim Triers (2011)
Anders (Anders Danielsen Lie) é um jovem que se encontra internado em uma clínica de reabilitação para viciados em drogas pesadas. Um dia, ele tema liberdadev concedida para poder fazer uma entrevista de emprego. Ele reencontra amigos, a ex-namorada, pessoas que lhe tropuxeram alegrias e tristezas. Durante a entrevista, Anders percebe que o seu mundo jamais retornará ao que era antes, e acaba cedendo de novo às drogas. Drama desesperançado, que mostra uma juventude totalmente sem rumo. Belamente fotografado, e com locaçoes estonteantes em Oslo, esse filme tem em seu protagonista, interpretado com vigor por Anders Danielsen Lie, sua grande força. O filme tem um registro quase documental, típico dos Irmãos Dardenne, porém sem um final feliz. A trilha sonora é recheada de músicas pop, e o roteiro fascina pela frieza das atitudes dos personagens. O ritmo é extremamente lento, como se deixássemos uma câmera ligada e ficássemos observando a vida de Anders se desenrolando na tela. Nota: 7

Osombie

" Osombie", de John Lyde (2012)
Um grupo do pelotão especial do exército americano encontra o esconderijo de Osama Bin Laden. Antes de ser morto, ele aplica um elixir em suas veias. Ao ser atirado no mar, o corpo de Osama ganha vida, e ele retorna como um zumbi, formando um enorme exército de mortos-vivos, disposto a recuperar o seu poder. Quando ouvi falar a primeira vez, pensei: esse filme será um clássico. Mas que decepção!!!!!O filme é pessimo, no pior sentido de um filme trash. Achei que me divertiria horrores, mas não tem nada de engraçado. É apenas ruim, sem humor, sem gore, sem nada que possa fazer o público achar graça. O filme tenta ser levado à sério, com efeitos e aqueles planos grandiosos de por do sol, típicos de Michael Bay. Os atores não tem charme, não são engraçados, o próprio Osama não provoca nenhum tipo de repulsa ou o que quer que seja. Uma total perda de tempo, infelizmente. Nota: 2

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Frango com ameixas

" Poulet aux prunes", de Marjanne Satrapi e Vincent Paronnaud (2011)
Nasser-Ali (Mathieu Amalric) é um violoncelista que vive na Teerã dos anos 60. Casado a contra-gosto com a professora Faringuisse (Maria de Medeiros), mais por imposição da mãe dele , (Isabela Rosellini), Nasser resolve morrer após Faringuisse destruir o seu violoncelo, em um ataque de fúria. Nasser se dá 8 dias para morrer, e nesse período, vemos breves flahsbacks de sua vida, uncluindo um amor impossível com Irane, filha do dono de uma loja, que os impede de se casarem. Belíssimo filme que mescla fantasia, fábula, animação e melodrama, bem ao gosto da dupla de cineastas de Marjanne Satrapi e Vincent Paronnaud, mesmos autores do excelente " Persépolis". Aqui, Marjanne se faz valer de lembranças de sua infância e narra a triste história de um amor que não se consuma. O amor pela música faz com que Nasser-Ali seja rechaçado por todos, que v~eem os artistas como vagabundos. Marjanne faz aqui o seu tributo a todos os artistas, que lutaram bravamente para mostrarem o seu valor, num país onde o militarismo prevalece. Fotografia que evoca um clima de conto de fadas, mais o recurso de misturar animação com outras técnicas rudimentares da arte da ilusão, fazem esse filme ter uma nostalgia dos filmes antigos, ainda mais embalado por uma trilha sonora mágica e com acordes orientais. Ótimos trabalho de todo o elenco, a começar por Mathieu Amalric, excelente, e por pontas de Chiara Mastroianni e Isabela Rosselini. Um filme de ritmo lento, mas sempre interessante. Nota: 8

domingo, 13 de maio de 2012

Respirar

"Atmen-Breathing", de Karl Markovcs (2011)
Roman (Thomas Schubert) é um jovem de 19 anos, interno de uma Instituição de jovens delinquentes. Roman divide seu dia entre o trabalho e a vida nessa instituição. Procurando um trabalho, ele se emprega numa funerária, acompanhando um grupo sempre em busca de cadáveres. Ao mesmo tempo, vemos a rotina de Roman, que todo final do dia volta para a Instituição, para cumprir pena. Ele presica seguir regras para poder viver em regime semi-aberto. Ao mesmo tempo, Roman decide procurar sua mçae e tentar decsobrir porquê ela o abandonou. Ótima produção austríaca-alemã, com uma bela fotografia e ótima direção. O trabalho do ator Thomas Schubert é excepcional, assim como o de Karin Lishka, no papel da mãe. O filme tem um ritmo lento, mas nos envolvemos de tal forma com o drama comovente do jovem, que o filme se torna uma grande chance de apreciarmos um bom filme de arte. Algumas cenas são belamente desenvolvidas plasticamente, como por ex, as cenas de mergulho na piscina. Duas cenas me chamaram atenção pela poesia e sensibilidade: a do encontro de Roman com uma jovem turista americana, no trem, e a cena em que um colega de trabalho o ensina a dar nó em gravata. Nota: 8

North sea texas

" Noordzee, Texas", de Bavo Defurne (2011)
Pim é um garoto de 10 anos, que mora numa cidade da Bélgica, nos anos 60. Seu pai o abandonou, e ele mora com sua mãe Yvette, uma instrumentista que toca acordeão, que passa as noites em bebedeiras e nos braços de homens diversos. Pim se refugia na casa de vizinhos, onde é tratado como um filho pela dona, que tem dois filhos, Sabrina e Gino. Sabrina nutre uma paixão por Pim, sem saber que ele e seu irmão Gino têm um caso às escondidas. Passam-se os anos, Pim agora tem 15 anos, e Gino, 18. Gino conhece uma francesa, Françoise, e termina sua relação com Pim, que se deprime. Belo dama sobre saída de armário e sobre o amor adolescente. O filme tem um ritmo lento, mas emana poesia através de sua bela fotografia e trilha sonora. O elenco está bem, com destaque para os 2 protagonistas, ousados em suas performances. O filme pode ser visto como uma versão adolescente de " Brokeback mountain", pois também fala sobre a não aceitaão de ser homossexual, através do personagem de Gino. Curioso que o filme reserva uma cena dentro da barraca, uma homenagem ao filme de Ang Lee. Não é um filme brilhante, mas vale pela sua honestidade, apesar de carregar em clichês do tema. Nota:7

sábado, 12 de maio de 2012

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Medo

" Angst", de Gerald Kargl (1983)
Baseado na história do serial killer Werner Kniesek, esse obscuro filme austríaco de 1983 foi o único filme dirigido por Gerald Kargl. Narra a história de um psicopata esquizofrênico, que é liberado da prisão, e imediatamente, snete necessidade de matar. O filme é todo narrado em off, e ouvimos a mente do assassino, o que ele pensa e porque age assim. Ele invade uma casa e mantém como ref~ens uma senhora, sua filha e o filho doente mental. O psicopara os tortura e ao mesmo tempo, vai tentando entender porquê se excita vendo o sofrimento dos outros. Um impressionante filme, com uso magistral da câmera, a cargo do premiado fotógrafo polonês Zbigniew Rybczyński. Os movimentos são estranhíssimos e ao mesmo tempo inovadores. A direção segura de Gerald Kargl faz o espectador se sentir angustiado. O ator alemão Erwin leder está brilhante, e realmente assustador no seu difícil papel. O filme procura amenizar algumas passagens aterradoras com humor, como por ex, nas aparições do cachorro. Mas como um todo, é um filme que causa desconforto, mais por sua crueza e realismo, que mais parece se utilizar de uma linguagem documental, devido aos seus longos planos e uso de câmera na mão. Um clássico, não recomendado para pessoas sensíveis. Nota:8

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Sala do suicídio

" Sala samobójców - Suicide room", de Jan Komasa (2011)
Dominik ( Jakub Gierszal) é um adolescente mimado. Rico, bonito, popular na escola. Mas seus pais vivem ausentes, e ele de repente, em uma brincadeira durante uma bebedeira, se descobre gay. Escurraçado pelos amigos, que o agridem no facebook, Dominik se refugia em uma sala de bate-papo, intitulada " Sala do suicídio", onde ele conhece Sylwia, uma jovem que vive trancafiada no quarto por 3 anos, e que o induz a praticar o suicídio. Ótimo drama polonês, que mistura uma linguagem moderna, alternando atores com desenho em 3d, tem um bom roteiro, prejudicado por alguns clichês sobre drama sfamiliares, como o eterno tema dos pais ausentes. Mas o filme todo é carregado nas costas pela atuação impressionante de Jakub Gierzsal, altamente convincente em suas cenas de surtos. O filme é longo, e tem pelo menos uma meia hora sobrando. Não fosse isso, o filme seria muito melhor. Participante do Festival de BErlin em 2011, esse filme merecia melhor sorte no circuito exibidor, mas talvez o tema pesado e a carga melancólica da história tenha assustado os distribuidores. Vale uma conferida. Nota:7

domingo, 6 de maio de 2012

Minha felicidade

" Schastye Moe - My joy", de Sergei Loznitsa (2010)
COmentários em breve Nota: 9

Anjos da lei

" 21 jump Street", de Chris Miller e Phil Lord (2012)
Jenko (Channing Tatum) e Schimdt (Jonnah Hill) são 2 universitários, infelizes com os rumos do curso. Schmidt é nerd e mal-amado, Jenko é popular, mas péssimo aluno. Os anos se passam, e encontramos os dois recém-formados pela Academia de Polícia. Relegados a fazer ronda em um parque, acabam prendendo um traficante, o que lhes dá aval para atuar em uma missão mais interessante. Os dois acabam sendo transferidos para a 21 Jump street, uma área dominada pela malandagem e pelo tráfico de drogas. Disfaçados de universitários, os dois se infiltram na Faculdade,a fim de descobrir o paradeiro do fornecedor de drogas sintéticas que culminou da morte de um aluno. O que eles não imaginavam, é que podreiam estar correndo risco de vida. Simpática comédia, com cenas realmente hilárias ( a cena das 4 fases da droga , atuando em Jenko e Schmidt é antológica). Channing Tatum, divertido como o bonitão burro, e Jonnah Hill, mostrando que também fazer comédia maluca,dão vida a essa aventura, que só é prejudicada pela longa duração. Deveria ter uns 20 minutos a menos, que fazem a diferença, cansando o espectador. O elenco de apoio está ok, e lá pelo final, a surpresa de aparecer assim do nada Jonnhy Depp, ator do seriado original dos anos 80, no qual o longa se inspirou. Para quem busca diversão sem compromisso, essa pode ser uma boa pedida. Nota: 6

Fora de Satã

" Hors Satan", de Bruno Dumont (2011)

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Paraísos artificiais

de Marcos Prado (2012)
Erika (Nathalia Dill) é uma Dj em ascenção, que namora Lara (Livia de Bueno). Em uma rave em Recife, onde Erika toca, ambas conhecem Nando (Lucas Bianchi), um jovem que vem conhecer a experiência de estar em uma rave. Todos tomam ácido, e após uma relação a três, uma tragédia acontece. ANos depois, por um acaso do destino, Erika e Nando se reencontram em Armsterdã. Ela, para tocar em um evento, e ele, para traficar ecstasy para o Brasil. Os dois voltam a se apaixonar, mas ao retornar ao Brasil, Nando é preso. Sua mãe e seu irmão (Cesar Cardadeiro) sofrem as consequências de seus 4 anos de prisão. Drama que, segundo do direto Marcos Prado, quer fazer um alerta sobre a juventude que hoje frequenta raves e festas eletrônicas, e que se expõe ao uso das drogas sintéticas. O visual do filme é muito bonito, a fotografia, a direção de arte, especialmente nas tendas da rave de Recife. OS atores estão bem, em especial, Livia de Bueno e Cesar Cardadeiro, intensos em seus personagens. Porém, o roteiro, previsível, não reserva surpresas na narrativa. Na cena do transe, de Erika e Lara, após elas tomarem o Peyote, existe uma clara alusão ao filme " The doors", na cena do ácido. A trilha sonora, embalada por música eletrônica, é boa. O filme se arrasta em muitos planos de passagem de tempo. Em Armsterdã, são poucas as cenas de dramaturgia, tenho muitas paisagens justificando a filmagem por lá. Apesar disso, é um filme que merece destaque, por trazer o público jovem até as salas de cinema, carentes de projetos destinados para essa faixa. Nota: 7

terça-feira, 1 de maio de 2012

Area 407

" Tape 407", de Dale Fabrigar, Everette Wallin (2011)
Comentários em breve Nota: 2